Terça-feira, 19 de Outubro de 2021 - 07h42
Inter é 1º a ter lucro em Brasileiro com público, e Maracanã vira pesadelo
Colorado tem feito bons jogos em Porto Alegre
Foto: Ricardo Duarte/Inter

O Internacional conseguiu ser o primeiro time a ficar no azul no quesito bilheteria. Depois de longo período sem poder abrir os portões, os clubes voltaram a vender ingressos no início do mês, mas poucos já conseguem transformar isso em receita. Chama a atenção, inclusive, que o prejuízo de Flamengo e Fluminense, que jogam no Maracanã, só aumentou.

Ainda sem contar a rodada do último fim de semana porque nem todos os borderôs já foram enviados à CBF, o Nacional agora tem o Colorado como o único a estar no positivo: R$ 28.601,20. A equipe gaúcha enfrentou o América-MG e a Chapecoense ao lado de sua torcida e fez R$ 609.642,53 com bilhetes no total, o que já é suficiente para compensar o prejuízo acumulado de outras 10 partidas.

Atlético-MG, Corinthians, Cuiabá, Grêmio, Palmeiras e São Paulo já viram dinheiro entrar nas rodadas que fizeram como mandante. Eles conseguiram fazer mais receita com a venda de bilhetes do que o total de despesas como mandante, mas ainda ficam devendo quando os números levam em conta todas as partidas do Brasileiro deste ano.

Já América-MG, Athletico, Atlético-GO, Bahia, Ceará, Chapecoense, Flamengo, Fluminense, Fortaleza, Red Bull Bragantino, Santos e Juventude continuam tendo mais gastos do que receitas mesmo com a venda de ingressos. O caso dos dois cariocas é o que chama mais a atenção.

O Fluminense, por exemplo, teve prejuízo de mais de R$ 610 mil na partida contra o Fortaleza. No total, o time está devendo mais de R$ 2,5 milhões. E a conta ainda não tem os números da partida contra o Atlético-GO, porque o borderô ainda não foi enviado à CBF. Com renda de menos de R$ 100 mil, é provável que o Tricolor perca mais R$ 600 mil nessa partida, o que faria seu prejuízo ultrapassar a casa dos R$ 3 milhões.

Outro a mandar seus jogos no Maracanã, o Flamengo também aumenta seu prejuízo. Depois de perder mais de R$ 260 mil contra o Athletico, o time precisou desembolsar quase R$ 320 mil diante do Sport. O jogo contra o Cuiabá ainda não foi contabilizado. O prejuízo só não é maior porque os dois atuaram em algumas ocasiões em lugares mais baratos como Volta Redonda ou até mesmo Neo Química Arena, em São Paulo.

Os gastos aumentam para os dois porque eles precisam passar a pagar taxas que antes não existiam ou eram menores, como repasse à Ferj, aluguel do campo, despesas operacionais, contas do dia da partida, seguranças e impostos. Antes desse novo cenário, a média de gastos de ambos os times no Maracanã era de R$ 200 mil por jogo. Ao menos para o Flamengo, há o consolo das receitas com bilhetes vendidos na Libertadores para diminuir o impacto.

O levantamento não leva em conta as partidas do Sport como mandante porque a equipe de Recife não envia os dados completos à CBF. A entidade nacional afirma que não tem controle sobre o tema, apesar de isso ir contra o Estatuto do Torcedor.

Confira o ranking completo do Brasileirão:

Internacional: + R$ 28.601,20

Cuiabá: - R$ 233.484,60

Corinthians: - R$ 237.576,74

Grêmio: - R$ 355.741,06

Atlético-GO: - R$ 465.390,06

Chapecoense: - R$ 512.086,36

Athletico: - R$ 527.630,06

Juventude: - R$ 527.668,11

São Paulo: - R$ 606.198,81

Atlético-MG: - R$ 612.004,01

Fortaleza: - R$ 640.435,39

Ceará: - R$ 651.953,80

Red Bull: - R$ 668.241,43

América-MG: - R$ 672.521,52

Palmeiras: - R$ 756.618,98

Santos: - R$ 820.840,57

Bahia: - R$ 1.044.325,59

Flamengo: - R$ 2.443.438,31

Fluminense: - R$ 2.528.874,77


Fonte: Uol/ esporte


COMPARTILHE:

Rádio Porto Feliz - AM 1530
Avenida Porto Feliz, 188 - Centro - Mondaí - SC
Ligue para nós: (49) 36740122

Este site também pode ser acessado via Smartphone/Tablet. Mais mobilidade para você.